Conheça a história de uma das fintechs pioneiras no Brasil: a Cambiar.com.br

Ela surgiu seis anos atrás, em uma época que o termo fintech praticamente não era usado por ninguém

#1 - Maior ecossistema de startups do país

16 de maio de 2017

6 anos atrás uma nova empresa nascia para aproveitar de uma revolução que viria: a Cambiar.com.br, um buscador de câmbio que ajuda (e muito) os usuários a encontrarem o melhor preço para as moedas que buscam comprar. Essa história já consolidada os ajuda a se auto intitularem “a primeira fintech de câmbio do mundo”.

Embora este termo seja polêmico, não se pode negar que eles surgiram muito antes de seus rivais, em uma época que o termo fintech praticamente não era usado por ninguém. “Não podemos ser chamados de a primeira fintech do mundo o PayPal e algumas outras ferramentas de pagamento online surgiram em 1998. Falando de mercado financeiro e do mercado de câmbio especificamente, o Cambiar é a primeira fintech B2C do mundo”, afirma Leonardo Abrão Filho, fundador e CEO da empresa.

O que era o Cambiar em 2011 e o que ele é hoje?

Segundo Leonardo, o Cambiar em 2011 não possuía sistema de cadastro, controle de compra ou venda de moedas estrangeiras e cartões pré pagos, era apenas uma vitrine com cerca de 6 corretoras de câmbio e 5 casas de câmbio turismo (hoje correspondentes cambiais), que anunciavam sua taxa de câmbio turismo por estado/município/zona e bairro. Um grande MVP (Mínimo Produto Viável), um embrião do que ele viria se tornar.

Nele, o usuário tinha acesso a toda a história da agência de câmbio escolhida, dados como: fundação, atividade, telefone, e-mail, mídias sociais, e ainda, a classificação dada por quem já tinha comprado nela. Depois de avaliar as opções, o usuário então verificava a melhor taxa ou localidade e entrava em contato com a loja de câmbio escolhida. “Alguns buscadores de câmbio ainda usam nos dias de hoje esta vitrine comparativa, algo que fazíamos a seis anos atrás. Hoje o Cambiar.com.br tem um sistema complexo e repleto de funcionalidades”, completa Leonardo.

Acessando o site pode-se verificar a atualização das taxas de câmbio a cada clique na busca, isto por estado/município e casa de câmbio (apenas instituições financeiras estão no Cambiar). O usuário pode abrir uma conta, comprar, alterar e cancelar o pedido 100% online, com diversas condições por sistema de retirada, entrega via portador ou sedex.  Outra vantagem importante que o site oferece é que a compra da moeda estrangeira pode ser feita 24 horas por dia, independentemente de ser ou não um dia útil.

Para qualificar as ofertas, o site está recebendo melhorias, como mais filtros para refinamento da busca e alteração da moeda e localidade em tempo real alinhado com a alteração da cotação. Dessa forma, o site está ficando cada vez mais interativo e com uma usabilidade ainda maior para o turista.

Começando pela esquerda, Leonardo Abrão Filho, diretor de câmbio da Abrão Filho e fundador/CEO do Cambiar.com.br, ao seu lado, Eduardo Domingues, sócio gerente e responsável pelas operações cambiais da empresa, à direita Marcus Vinicius, sócio administrador da Abrão Filho, responsável pela governança da sociedade.

E quanto à taxa do câmbio, de fato é a melhor do mercado?

Marcus Vinicius, sócio administrador da Abrão Filho Câmbio e Capitais, empresa que opera o Cambiar, afirma que devido à grande carteira de clientes que a Abrão Filho possui, as condições de spread cambial ofertadas são muito mais competitivas que a dos demais concorrentes.

A Abrão Filho possui contrato de agenciamento de clientes e negócios com seis bancos com carteira de câmbio, é credenciada no Banco Central do Brasil como correspondente cambial por quatro instituições financeiras. “Ninguém no brasil tem este feito”, afirma Marcus. Já para Eduardo Domingues, sócio gerente da Abrão Filho Câmbio e Capitais, outro diferencial importante do Cambiar é a tradição da família Abrão no mercado cambial brasileiro. “Carlos Roberto Abrão, pai do Leonardo, trabalha no mercado cambial brasileiro desde 1969”, afirma.

Com um mercado rápido e de alto risco como o de câmbio, e com a necessidade das empresas do cotidiano de se atualizarem, o Cambiar está lançando no próximo mês de junho uma outra modalidade, o “buscador de remessas”. Segundo Leonardo Abrão, “não existe nenhum site que apresente um listing de busca com reais condições de fechamento de câmbio online para realizar pagamentos internacionais na América Latina”. A funcionalidade estará disponível em um primeiro momento apenas para pessoas físicas, mas até o final do ano o site estará habilitado em todos os produtos também para pessoas jurídicas.

Para crescer ainda mais, o Cambiar.com.br acaba de angariar um investimento anjo que será aportado durante doze meses corridos na ordem de meio milhão de reais, e com isso deixará de ser um “spin off” da Abrão Filho e passará a ter uma vida jurídica própria.

Por ser digital, o Cambiar.com.br atua 24 horas por dia, com a cotação do câmbio online de todas as moedas conversíveis e também as exóticas mais comerciáveis no Brasil, tanto em espécie quanto com cartão pré-pago. Segundo o departamento operacional do site,, a média de venda mensal já está em US$ 1.000.000,00, ou seja, mais de R$ 3.000.000,00. Segundo o CEO Leonardo Abrão “com os pés no chão, queremos chegar em junho de 2018 com um plano de internacionalização do site para a América Latina” aproveitando que o nome Cambiar é praticamente sinônimo de câmbio em países de língua espanhola como Argentina, Chile, Peru, Uruguai e outros.

Compartilhe:
Classifique: