12 startups que estão transformando a educação no Brasil

Depois de uma longa chamada publica, com mais de 50 boas startups inscritas, selecionamos 12 que estão ajudando a transformar a educação no Brasil

Felipe Moreno é editor-chefe do StartSe e fundador da startup Middi, era editor no InfoMoney antes

27 de março de 2017

Se algo pode transformar o Brasil em um pais desenvolvido, este é o setor da educação. Portanto, temos um carinho muito grande por todas as startups que estão trabalhando para conseguir transformá-la por aqui.

Acredito que esta deveria ser a prioridade número um, número dois e número três de nossos governantes. É esta paixão pela educação que nos motivou a organizar o Edtech Class, um evento exclusivo em São Paulo para tratar do setor e de como a tecnologia pode melhorar.

Depois de uma longa chamada publica, com mais de 50 boas startups inscritas, selecionamos 12 que estão ajudando a transformar a educação no Brasil – e consequentemente estão fazendo nosso país avançar. Dessas 12 startups, 5 estarão presentes no Edtech Class, demonstrando seus produto e fazendo um pitch para os ali presentess.

Confira as 12 startups que estão transformando a Educação no Brasil (em ordem alfabética):

Academia do Hacker – O objetivo da empresa é criar uma comunidade para crescimento dos profissionais de tecnologia na área de Segurança da Informação, através de artigos, fórum e treinamentos sobre técnicas utilizada pelos hackers.

Ela faz isso através da disseminação de conhecimento hacker, tanto de ataque quanto defesa. “Queremos ensinar como é realizado ataques a ambientes tecnológicos e com estes conhecimentos, empresas e profissionais de TI poderão adotar controles mais efetivos para proteger seus ambientes tecnológicos”, afirma a empresa.

Árvore de Livros – A intenção da tartup criar uma comunidade de leitores, e já possui milhares de ebooks de mais de 230 editoras parceiras. “Funcionamos como uma espécie de Netflix dos livros para as mais de 200 escolas públicas e privadas”, destaca a empresa.

A startup carioca tem excelentes resultados no que diz respeito a formação de leitores, multiplicando por 4 número de livros lidos nos alunos que usam Árvore comparado com outros. Além disso, a empresa apoia as escolas com projetos e dados inéditos de leitura e gamificação.

Bearings Vocacional –A startupo ferece serviços de orientação vocacional para jovens em fase pré-vestibular, além de auxiliar instituições de ensino superior (IES’s) a encontrar e captar o calouro ideal. Isso é realmente importante para reduzir a quantidade de jovens que acabam fazendo cursos que não desejam.

Em menos de 1 ano de operação comercial, a startup já atendeu mais de 5 mil usuários e 15 clientes (instituições de ensino superior) – incluindo a Kroton, maior grupo educacional do mundo. Além disso, a Bearings foi eleita startup destaque da Bett Brasil Educar 2016 – maior feira de tecnologia educacional da América Latina, além de ter recebido prêmio de melhor startup no Edu4me Brasil 2016.

Br.ino – Ao perceber que a robótica estava caminhando a passos lentos no Brasil, os fundadores desta startup optaram por inventar uma ferramenta para revolucionar o ensino deste segmento o Brasil, ao permitir que se use a língua local para desenvolver protótipos.

A ideia é educar crianças para conseguir entrar neste segmento, tão importante e competitivo atualmente. “Somos uma startup que busca ajudar crianças e jovens a ingressar no mundo da tecnologia que hoje já está presente em tudo no nosso cotidiano”, salientam..

Dentro da História – Uma forma de ensinar para as crianças? Colocando-as na história. Essa é a premissa básica desta startup, que tenta criar uma conexão pessoal entre as crianças e os livros, criando um livro personalizado, exclusivo e único.

Com isso, as crianças conseguem aprender mais e melhor. “Os livros personalizados, que criam a identificação da criança com o universo lúdico dos personagens infantis ajudam no processo de aprendizado das crianças e na retenção de conhecimento”, explica a startup.

Engaged – A startup de Curitiba usa Design Thinking e service design para mapear todo o ciclo de vida do dado e dos alunos dentro de uma instituição de ensino, o que gera oportunidades de retenção, melhoria do engajamento do usuário com a instituição e inovação dentro de diversos processos operacionais e estratégicos delas.

Depois de validar a ideia, foram a mercado. “Criamos um produto que gera relacionamento personalizado, aumento a lucratividade e redução dos processos relacionados à captação, retenção e atendimento, estendendo o ciclo de vida e rentabilidade por aluno”, completa a startup.

Eruga – A startup, também de Curitiba, tem o objetivo de criar treinamentos imersivos através de realidade virtual e aumentada muito mais eficientes. Fundada em 2013, a companhia aposta que esses treinamentos conseguem eliminar custos com deslocamento, infraestrutura, impressão de materiais e matéria-prima.

Isso é interessante, já que o treinamento é um dos grandes problemas e custos das grandes empresas. Há gamificação e a expectativa é de uma redução de até 300% nos custos dos treinamentos.

Happy Code – A startup de Campinas tem como objetivo ensinar competências digitais para crianças e adolescentes, de 5 até 17 anos de idade. A empresa funciona com franquias, que já alcançaram o número de 55, incluindo aí uma na Europa.

A Happy Code oferece cursos interativos de programação de computadores, robótica com drones, desenvolvimento de games e aplicativos, além de produção e edição de vídeos para o Youtube. “Nosso projeto é de nos tornarmos uma organização de amplitude global e, nesse momento, estamos fechando parcerias com grandes grupos ligados à educação que apostaram no nosso propósito”, afirma a startup.

Já Entendi – A startup desenvolveu uma metodologia disruptiva de educação com foco na base da pirâmide, que é o público alvo pouco compreendido em suas dificuldades em capacitações. Com isso, pode treinar uma grande quantidade de pessoas já ingressas no mercado de trabalho.

A empresa já tem bons números e grandes clientes. “Tivemos nos 3 primeiros anos de fundação um crescimento exponencial e atualmente atendemos grandes empresas, como Natura, WALMART, Enel, TIM com 1.5 milhão de alunos treinados no ano passado”, salienta a fundadora, Gladys Mariotto.

LifenRoll – O primeiro ponto levantado pela LifenRoll é que há 200 anos o ensino é o mesmo, o que leva a resultados desastrosos (40% dos alunos largam seus cursos de faculdade, por exemplo). Mudar isso era fundamental para que a educação se tornasse mais eficiente.

Pensando nisso, os fundadores criaram uma plataforma digital onde os usuários podem agendar (“matchs”) vivências reais com mentores das mais variadas áreas do conhecimento. Ou seja: tudo para ajudar os alunos a tomarem boas opções para suas vidas.

Master Tech – Nascida no CUBO em 2016, o Mastertech ensinou no seu primeiro ano 1.200 pessoas presencialmente, para que as pessoas possam dominar as suas competências. “A educação linear que temos hoje não irá acompanhar o crescimento exponencial das organizações”, acredita a empresa.

O resultado da metodologia é impressionante: o Mastertech capacita em apenas 8 semanas um profissional de tecnologia, algo que universidades tomam 4 anos para fazer o mesmo.

Saga Labs – A empresa cria ambientes pedagógicos virtuais de alto desempenho, com alta tecnologia e custo acessível. Usando realidade virtual, a Saga acredita que poderá ensinar.

“Oferecemos uma solução customizada utilizando o que há de mais moderno e eficaz em termos de tecnologias de virtualização e ferramentas pedagógicas”, afirma a startup.

Você pode estar nos nossos eventos também! Basta empreender! Para você que está interessado, recomendo aqui um de nossos e-books, o Startup de A a Z, que passa por alguns dos principais dilemas que envolvem esse mundo de empreendedorismo.

Faça parte do maior conector do ecossistema de startups brasileiro! Não deixe de entrar no grupo de discussão do StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo!

Receba o melhor do nosso conteúdo para te ajudar

Compartilhe:
Classifique: