Airbnb: a maior rede de hotéis do mundo que não possui nenhum quarto de hotel

A empresa faz parte de um grupo de startups que transformaram segmentos de mercado nos últimos anos

Especialista em startups e co-fundador do StartSe, maior ecossistema de startups do Brasil

6 de dezembro de 2016

Airbnb, plataforma de hospedagens alternativas baseada em São Francisco, início suas operações em 2008, está avaliada em US$ 30 bilhões, sendo a quarta startup mais valiosa do planeta, atrás apenas do Uber e das chinesas Xiaomi e Didi Chuxing.

A empresa faz parte de um grupo de startups que transformaram segmentos de mercado nos últimos anos. O Uber revolucionou o serviço de transporte de pessoas, o Whatsapp redefiniu o mercado de telefonia e o Spotify reposicionou o mercado da música. Isso para citar apenas alguns exemplos.

A inovação em parceria com as startups é o tema do Corporate Class, evento que reúne empresários, executivos e agentes de inovação. Participe!

Já o Airbnb, com seu valor de mercado de US$ 30 bilhões, supera em US$ 7 bilhões o valor da maior rede de hotéis do mundo, a Hilton, que tem valor de mercado estimado em US$ 23 bilhões.

O Airbnb tem atualmente mais de 2 milhões de quartos disponíveis em mais de 191 países ao redor do mundo. Em comparação, a rede Marriott, avaliada em US$ 17 bilhões, disponibiliza pouco mais de 1 milhão de apartamentos em 110 países em todo o mundo.

A grade diferença entre o modelo de negócios do Airbnb e o das grandes redes de hotéis é a capacidade de expansão. Enquanto as grandes redes precisam investir pesado para construir novos edifícios, o Airbnb pluga novos quartos quase sem custos.

Grandes empresas tradicionais, inseridas em mercados estabelecidos, têm sofrido fortes abalos com a entrada de empresas inovadoras, que trazem modelos de negócios disruptivos e criam fissuras onde “fazer diferente” parecia impossível.

Ser competitivo nunca foi tão difícil, por isso tantos grupos consolidados têm se aproximado de startups para, junto com elas, expandir suas conquistas.

De olho nesse movimento, o StartSe criou o Corporate Class, evento que mostra como algumas grandes companhias têm aproveitando essa onda para crescer junto com as startups, e não tentando combatê-las.

Para participar, acesse o site www.corporateclass.com.br e faça sua inscrição. Restam poucas vagas.

Compartilhe:
Classifique: