Natura e Artemisia selecionam 17 startups para pré-aceleração

Empreendedores participarão de vivências e mentorias do programa “Desafio Natura Amazônia: Negócios para Floresta em Pé”

Lucas Bicudo é repórter do Portal StartSe.

22 de novembro de 2016

Nessa semana, 17 startups participarão do “Desafio Natura Amazônia: Negócios para Floresta em Pé”, em Belém e Benevides, no Pará. Os negócios foram selecionados entre 140 inscritos no programa, criado pela Natura e a Artemisia, com o objetivo de apoiar soluções empreendedoras de impacto socioambiental positivo na Amazônia.

Ao fim do programa de imersão, até quatro startups serão selecionadas para receber mentorias exclusivas da Artemisia, organização pioneira na disseminação e no fomento de negócios de impacto social no Brasil. Todos os participantes propõem soluções alinhadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU), abrangendo temas relacionados a biodiversidade, economia de floresta em pé, educação, infraestrutura e bem-estar.

“Acreditamos que, ao fomentar e dinamizar um ecossistema de negócios de impacto na região, mostramos que é possível a floresta ter mais valor em pé do que derrubada e que a Amazônia pode ser uma referência mundial em inovação, negócios e soluções para um mundo mais sustentável”, afirma Renata Puchala, gerente de sustentabilidade da Natura.

O evento contará com a presença de empreendedores como Guilherme Leal, sócio-fundador da Natura; Beto Veríssimo, presidente e pesquisador sênior do Imazon (instituto que promove o desenvolvimento sustentável da Amazônia), e Pedro Villares, presidente do Conselho do Instituto Arapyaú de Educação e Desenvolvimento Sustentável.

Idealizadores do programa, Natura e Artemisia compartilham a visão de que é necessário fomentar e apoiar empreendedores que tenham propostas sólidas para desenvolver negócios com soluções escaláveis e inovadoras aos desafios socioambientais na Amazônia.

Para Maure Pessanha, diretora-executiva da Artemisia, a aliança entre dois players que são referência em seus respectivos segmentos traz visibilidade a uma questão de suma importância para o país. “Estamos muito felizes por poder levar para uma região que é vital para o desenvolvimento do planeta o conceito de negócios de impacto social. Nós na Artemisia acreditamos que este modelo tem o potencial de mudar a qualidade de vida das pessoas, e no caso específico da Amazônia também apresentar ao mundo soluções inovadoras que combinam impacto social e ambiental”, analisa.

Conheça as startups participantes do desafio:

Açaí Pai D’Égua – Belém

O Açaí Pai D’Égua criou uma vitrine virtual e um centro de informações dos comerciantes de açaí, trazendo visibilidade e impulsionando a cadeia produtiva.

Amazóleo – Manaus

A Amazóleo busca combater o descarte incorreto do óleo residual de fritura, que gera poluição nos lençóis freáticos, igarapés e rios de Manaus.

Arcafar – Altamira

A Arcafar – Associação Regional das Casas Familiares Rurais do Pará – oferece curso técnico de agroindústria a jovens de diversas regiões do Estado.

Aruã – Brasília

A Aruã Educação e Sustentabilidade atua na elaboração e na gestão de métodos pedagógicos e programas de educação e sustentabilidade no Cerrado e na Amazônia.

Asproc (Projeto Comércio Ribeirinho) – Carauari

A Asproc – Associação dos Produtores Rurais de Carauari representa mais de 600 famílias ribeirinhas e busca potencializar a cadeia produtiva na qual estão inseridas.

Asproc (Projeto Cadeia Produtiva do Pirarucu) – Carauari

A Asproc gerencia a cadeia produtiva do pirarucu na região do Médio Juruá (AM) e busca novos mercados que valorizem o pescado proveniente de áreas manejadas.

Banco Tupinambá – Belém

O Banco Comunitário Tupinambá incentiva o desenvolvimento socioeconômico regional, financiando produtores, comerciantes e consumidores.

Coopavam – Jurema

A Coopavam – Cooperativa dos Agricultores do Vale do Amanhecer reúne 300 extrativistas que vivem em terras indígenas no Mato Grosso.

Da Tribu – Belém

A Da Tribu oferece oportunidade de capacitação e emprego para mulheres de baixa renda por meio da moda sustentável e da tecnologia da floresta.

EcoBrazil – São Mateus do Maranhão

A EcoBrazil é um hub de vendas e conhecimentos focado em produtos de maior valor agregado oriundos do babaçu e da floresta para gerar oportunidades de negócio e renda a extrativistas da região.

Ecoloop – Manaus

A Ecoloop busca reverter o baixo índice de reciclagem em Manaus, por meio da coleta seletiva em estabelecimentos comerciais ou residenciais e da comercialização desses resíduos.

Flavia Amadeu – Brasília

Flavia Amadeu desenvolve projetos e produtos de design e artesanato, apta a apoiar comunidades produtoras da Floresta Amazônica, de forma a viabilizar a cadeia produtiva e comercial de produtos derivados do látex.

FloraUP – Manaus

FloraUP é uma plataforma online  participativa e de livre acesso que apresenta informações de espécies, fornecedores e produtos da sociobiodiversidade em um mapa digital.

KMAT – Manaus

A KMAT desenvolve projetos e produtos tecnológicos para tratamento de dejetos dos banheiros dos barcos fluviais da Amazônia e de microssistemas de abastecimento.

MEU – Manaus

MEU é um plataforma colaborativa de educação empreendedora que tem como objetivo desenvolver estudantes universitários e empreendedores urbanos e rurais.

Nuprogresso – Manaus

Nuprogresso é uma fintech que facilita empréstimos para pequenas e médias empresas e produtores rurais, ao conectá-los com pessoas dispostas a financiá-los.

Litro de Luz – São Paulo

A Litro de Luz oferece uma solução simples e acessível para iluminar comunidades de baixa renda sem acesso a energia elétrica.

Não deixe de entrar no grupo de discussão do StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo!

Receba o melhor do nosso conteúdo para te ajudar

Compartilhe:
Classifique: