72% dos americanos têm o mesmo medo que você… Entenda como resolvê-lo

Empresas ainda não sabem responder isso: como não ser substituído em um trabalho antigo e se preparar para um trabalho novo?

medo

Copywriter na StartSe

9 de agosto de 2018

Você está cem por cento satisfeito com o seu trabalho e com a rotina que ele te traz?

Nós da StartSe queremos te provocar com essa pergunta porque sabemos que muitas pessoas dirão não…

Pelo menos não completamente.

Talvez um impacto disso seja o número de empreendedores aumentando e Startups surgindo a todo momento para dar soluções para problemas que até então as empresas “tradicionais” não davam conta de resolver.

Tudo isso somado ao avanço tecnológico e às disrupções que lugares como Vale do Silício, China, Israel, Índia e outros estão trazendo também…

Mostram cada vez mais que as novas tecnologias terão um papel determinante em nossos trabalhos.

E várias Startups como Google, Facebook, Apple e Amazon também mostram novas formas de gerir equipes e captar talentos promissores do mercado.

Se tem um medo que a inovação e a tecnologia sempre trazem, é o do status quo e fórmulas que funcionavam “até ontem” caírem em desuso por causa das novas tecnologias.

Vamos focar especificamente em um ponto agora: no medo de milhões de empregos desaparecerem e pessoas serem substituídas por robôs.

Nós poderíamos chamar isso de Medo Homer Simpson.

Calma, explicaremos e contextualizaremos o porquê deste nome.

Homer é um cidadão americano que trabalha na Usina Nuclear de Springfield.

Mas o trabalho dele é tão repetitivo… tão massante… que um dia ele tem uma ideia muito criativa para trabalhar.

Essa aqui ⬇️

O resto do episódio é só comédia: ele fica em casa de cueca…

Faz mil e uma trapalhadas enquanto esse passarinho preso a uma base faz “todo o trabalho suado” de Homer.

Afinal:

Já que ele só precisava apertar um botão… porque não botar alguém ou alguma coisa para fazer isso para ele?

Não queremos comparar milhões de possíveis desempregos com um gif animado de um desenho, longe disso.

Mas a pergunta que fica é: essa função poderia ser feita por um robô?

O que você acha?

Um artigo bem interessante da publicação Fast Company trata de uma questão bem pertinente sobre o futuro dos trabalhos nas empresas:

Máquinas podem acabar com empregos – mas também pode nos preparar para os novos?

Os benefícios da IA ​​na requalificação podem equilibrar os trabalhos que serão perdidos para os robôs?

Nele o articulista, Joe Greenwood é enfático:

METADE de todos os empregos serão automatizados nos próximos anos.

Mesmo as funções em que um robô não poderá copiar e replicar (como o de um psicólogo ou um cirurgião, por exemplo), serão impactados à medida que a tecnologia e a inteligência artificial se integram aos nossos ambientes de trabalho.

E com isso toda uma geração de pessoas pré-internet das coisas (nascidas antes dos anos 90-00) precisará se inteirar desses e outros assuntos que nem surgiram ainda.

Tudo para continuarem e permanecerem cada vez mais relevantes e competitivas em seus trabalhos.

E do outro lado do oceano corporativo: empresas buscam formas de realocar suas forças de trabalho dentro desses novos trabalhos do futuro.

E elas próprias se tornarem interessantes a ponto de captar essa nova força de trabalho que vem surgindo no mercado nos últimos anos: a Geração Z.

Geração-Z

  • Eles são mais rápidos;
  • Impacientes em alguns aspectos;
  • Não querem cargos de liderança;
  • São autodidatas;
  • Entendem um pouco de ferramentas online, redes sociais e até um pouco de programação e marketing (porque é uma linguagem que eles veem diariamente na internet).

E para captar pessoas que tenham todas essas capacitações; adequá-las dentro das empresas; e até descobrir que tipo de treinamento cada colaborador deverá ter… as empresas precisarão analisar uma quantidade enorme de dados.

O Big Data.

bigdata

E, ironicamente ou não, é exatamente esse tipo de problema que a Inteligência Artificial poderá resolver.

NINGUÉM SABE os impactos que a automação gerará nos mercados de trabalho. E tendemos a sempre pensar o pior.

Prova disso é que a Pew Research fez uma pesquisa com o povo americano e descobriu que 72% deles estão preocupados com as máquinas poderem substituir seus trabalhos.

Inclusive tem um site chamado will robot stake my job (os robôs roubarão meu trabalho?) onde você digita sua função e – com base nas tecnologias disponíveis e na complexidade dele – aparece a chance porcentual dele ser automatizado ou não.

Músicos por exemplo, tem apenas 7,4% de chance, enquanto que motoristas de carros possuem 89%.

Mas não foi isso o que aconteceu nas revoluções anteriores.

Não houve desemprego em massa nem milhões de pessoas ficaram a ver navios.

Ao contrário, e o artigo usa como exemplo a implantação de caixas eletrônicos nos bancos:

Na época os atendentes do mercado achavam que seus trabalhos cairiam drasticamente por conta disso.

Mas uma pesquisa de James Bessen, da Universidade de Boston, mostrou que na verdade aumentaram o número de operadores de caixa nas agências.

MOTIVO: diminuiu-se os gastos para administrar a agência e transações como saques e depósitos e sobrou caixa para contratar pessoas que operassem os caixas eletrônicos e ajudassem as pessoas a operá-los.

A TENDÊNCIA é que a I.A. não elimine 100% os humanos de suas funções, ao contrário: eles na verdade farão os humanos terem mais tempo para funções que exijam elementos criativos e focados em relacionamento.

Por exemplo, os caixas de banco agora lidam com menos saques em dinheiro ou depósitos, mas precisam de habilidades sociais para construir a lealdade do cliente e ajudá-los com suas necessidades financeiras mais amplas.

Outro impacto – esse ainda mais imediatista – no futuro do mercado de trabalho são os chamados empregos “híbridos”.

Eles exigem para determinada função conhecimentos de outras áreas completamente distintas que nem mesmo as Universidades contemplam.

Por exemplo alguém que saiba: programar, conheça de design e saiba de marketing.

Nenhuma faculdade hoje ensina as três.

Mas existem pessoas autodidatas que estão aprendendo essas coisas para permanecerem relevantes no mercado onde atuam.

Essa mudança é inevitável.

Claro que os impactos dependem de setor para setor.

Os motoristas deverão se reinventar mais em seus trabalhos do que os físicos quânticos, por exemplo.

TODAS AS EMPRESAS deverão se planejar e entender como contratar essas pessoas para trabalhos que nem existem formalmente ainda.

Enquanto do outro lado os profissionais deverão se atualizar e ficarem antenados no mercado para poderem continuar trabalhando ativamente.

As empresas terão papel-chave nisso: treinar novamente seus colaboradores para esses novos cenários.

Não é uma responsabilidade só de quem trabalha, mas de quem contrata e tem esse colaborador dentro de sua própria empresa.

Os esforços para preparar as pessoas para um futuro automatizado irão transcender indústrias e geografias, não apenas para lidar com a automação, mas também com a digitalização da economia global.

Com essas transições de mercado para mercado, as empresas que obtiverem:

  • automatização de processos;
  • análises de dados para contratação; e
  • formas de preparar seus gestores e colaboradores para as funções híbridas que virão…

… terão não só papéis de destaque como também atrairão futuros talentos para suas empresas.

Simplesmente por tornarem essas pessoas relevantes e cruciais diante do Futuro do Trabalho e da Gestão.

POR QUESTÕES COMO ESSAS e para responder várias perguntas sobre esse tema que:

  • Gestores;
  • Executivos;
  • Empreendedores;
  • Profissionais de Recursos Humanos; e
  • Empresários e CEOs estão nos fazendo pelas nossas Redes Sociais…

A StartSe apresenta o RH Day: O Futuro do Trabalho e da Gestão.

RH-DAY-2018

A Única Oportunidade de Preparar sua Empresa para AS NOVAS PROFISSÕES DO FUTURO; Implementar isso HOJE no RH da sua Empresa e Conseguir Atrair, Reter e Desenvolver Os Melhores Profissionais da Nova Economia.

Portanto se você:

  • Estuda ou trabalha com RH;
  • Tem uma posição de liderança e tem um papel importante na contratação dos seus colaboradores;
  • Ou é um profissional multitarefa e quer saber como as empresas poderão achá-lo e o que elas estão fazendo de mais inovador para capacitá-lo e prepará-lo para este Novo Mercado de Trabalho.

Este é o evento mais completo do setor.

Focado em aplicações práticas, tecnologias já disponíveis e modelos de gestão que poderão ser implementados em seus negócios HOJE.

AFINAL COM AS MUDANÇAS ocorrendo tão rapidamente, tempo é um ativo muito importante para desperdiçar.

Saiba tudo sobre o evento, os palestrantes e os temas centrais que ele trará clicando aqui.

PS: se você quiser ler o artigo da Fast Company completo, só acessar goo.gl/azhRZY.

Compartilhe:
Classifique: