De cartas até motel: como a inovação salvou Nintendo e a transformou em gigante

Antes de se tornar uma gigante dos videogames, a Nintendo teve que errar muito até acertar em cheio!

nintendo gameboy game boy

Isabela Borrelli é repórter do Portal StartSe

22 de março de 2017

Inovar nem sempre é fácil ou uma escolha óbvia, ainda mais se isso envolve mudar completamente o foco dos negócios. A história da Nintendo é um exemplo bem interessante de como reinventar a empresa pode não só salvar da morte certa como até transformá-la em uma referência mundial.

A Nintendo que conhecemos hoje definitivamente é bem diferente do que ela já foi e, acredite, ela já foi muitas coisas… Desde uma companhia de cartas até uma tentativa falha de motel, a gigante dos videogames atual teve que errar muito até acertar em cheio!

Em 1886, durante o governo do imperador Meiji, o hanafuda, jogo tradicional japonês, foi legalizado, abrindo as portas para possíveis negócios relacionados ao jogo. Fusajiro Yamauchi viu aí uma ótima oportunidade para começar a vender cartas de hanafuda feitas à mão. Três anos depois, a Nintendo nascia como uma loja que vendia cartas do famoso jogo japonês.

No caso, no final do século 19, o hanafuda era marca registrada de gângsteres, sendo frequentemente associado a apostas e jogos de azar. Com o passar do tempo, o negócio não se mostrou mais tão lucrativo e Yamauchi apostou na venda de outra linha de cartas – a Tengu – com qualidade inferior da original.

Outra oportunidade surgiu na Segunda Guerra Mundial, quando o exército norte-americano estava ocupando o Japão. Apesar de serem tempos difíceis, Yamauchi conseguiu, mesmo assim, identificar um nicho no qual eles poderiam atuar: ser os provedores de cartas oficiais do exército americano. A partir de então, a Nintendo não só vendia cartas de hanafuda, como também procurou se diversificar, tendo uma linha de cartas só de com fotos de mulheres nuas e comprando direitos da Disney para também estampar os personagens, por exemplo.

>>> Faça como a Nintendo e salve a sua empresa da extinção! Quer saber como? Baixe nosso E-book sobre o mundo corporate

No entanto, essas não foram as únicas apostas da empresa. No início de 1950, Hiroshi Yamauchi, neto de Fusajiro, assumiu os negócios e seu espírito empreendedor ficou claro nos investimentos que se seguiram sob seu comando, com produtos como sopa de macarrão, blocos de encaixar muito similares ao LEGO, fotocopiadora, companhia de táxi e até um motel. Nenhum desses empreendimentos, no entanto, foi bem sucedido. Com tantos insucessos, a Nintendo tinha tudo para morrer, mas uma aposta mudou o rumo da empresa para sempre: videogames.

Foi no final da década de 1970 e começo de 1980 que a Nintendo decolou e se tornou um gigante no ramo dos videogames. Mas a aposta não ocorreu do nada, uma vez que, segundo a Lifewire, no meio da década de 60, Gunpei Yokoi, conhecido por ser o inventor do Game Boy, era um engenheiro que trabalhava no setor de manutenção na Nintendo e tinha desenvolvido um brinquedo que funcionava como a extensão de um braço.

Essa invenção não passou despercebida por Hiroshi, que logo propôs que o brinquedo fosse vendido em massa, chamando-o de Ultra Hand. O sucesso foi absoluto e a Nintendo oficialmente entrou no ramo dos jogos. Consequentemente, Yokoi foi promovido de engenheiro de manutenção a chefe da área de jogos.

A parceria entre Hiroshi e Gunpei, assim como a presença de profissionais como Shigeru Miyamoto, criador de jogos como Mario e Zelda, fez com que a Nintendo não só alcançasse sucesso, como se transformasse em uma das maiores empresas do ramo de games.

Faça parte do maior conector do ecossistema de startups brasileiro! Não deixe de entrar no grupo de discussão do StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo!

Receba o melhor do nosso conteúdo para te ajudar

Compartilhe:
Classifique: