Fintech: o que é? Explicamos esse segmento de startups

Elas são o grande pesadelo dos bancos, mas você conhece bem esse tipo de empresa? Entenda o que é uma fintech definitivamente

o que é fintech

#1 - Maior ecossistema de startups do país

23 de maio de 2016

O palavra fintech é uma combinação das palavras financial e technology. Esse nome resume bem a ideia: fintech é toda empresa que oferece serviços financeiros que se diferenciam pelas facilidades ou potencializadas pela tecnologia. São startups que estão trabalhando para disruptar o mundo que mexe com teu bolso, tornando-se um dos setores mais quentes do ecossistema.

É claro que, só fosse só essa detalhe, não há diferença entre as fintechs e os grandes bancos. Instituições bancárias trabalham com tecnologias bastante sofisticadas para atribuir acesso e segurança às transações financeiras – além disso, estão entre algumas das principais empresas que trabalham com inovação e tecnologia no Brasil. Itaú e Bradesco foram grandes responsáveis pela popularização do computador pessoal na vida das pessoas.

Isso vale para gerenciamento de contas correntes, empréstimos, serviços de cartão de crédito, investimentos, entre outros – é possível criar um banco só com os serviços que as fintechs prestam, juntando todas.

O diferencial das fintechs

O grande ponto de diferenciação é que nas fintechs a tecnologia é o ponto central para trazer melhorias por meio da inovação e criam metodologias, processos e ferramentas que facilitam o acesso a serviços financeiros. Uma startup como a Warren, por exemplo, traz ferramentas de investimentos e wealth management para qualquer usuário (mesmo aquele que investiu apenas R$ 1) que antes só estavam disponíveis para os usuários de mais de R$ 50 mil.

O resultado dessa inversão é uma experiência completamente diferente para os clientes, focada totalmente em praticidade, menos burocracia, custos reduzidos e maior controle sobre operações financeiras. Boa parte das fintechs tem como objetivo democratizar o acesso às finanças no Brasil (e no mundo) através da descomplicação e facilitação dos serviços.

Alguns dos serviços das fintechs são praticamente os mesmos oferecidos por bancos, corretoras e seguradoras: cartão de crédito, sistemas de pagamento, financiamentos, crédito pessoal, seguros e muito mais. Já outros, como os aplicativos para gestão financeira, são bem diferentes do que os bancos entregavam anteriormente – mas estão tirando os bancos da zona de conforto e fazendo com que eles busquem melhorias.

A grande diferença está no fato de que, em qualquer um dos serviços ofertados, o foco está quase sempre na experiência do usuário. As fintechs costumam entregar sempre serviços que tem como o objetivo “encantar o cliente” – e isso é importante. Ao olharmos o ecossistema de fintechs, percebemos que cada serviço prestado para um banco virou uma startup diferente.

Isso garante que cada fintech se esforce ao máximo naquela área especificamente, naquele nicho. O banco costuma usar uma área para dar fôlego para outra, a fintech costuma só ter “um tiro”, então o esforço precisa ser muito forte naquela direção. Portanto, uma fintech não costuma ter “pegadinhas”, como os grandes bancos muitas vezes possuem, apenas foco no cliente.

Não há modelo de fintech

Como são empresas diferentes, cada fintech tem um modelo de negócios diferente, não há um padrão. O ponto em comum nessas empresas é o fato de que elas enxergaram as deficiências do sistema financeiro e se empenharam em “curar as dores” dos clientes insatisfeitos ou que não eram atendidos em suas necessidades.

Há startups em todas áreas e modelos. Sejam modelos B2B (business to business), B2C (business to consumer) e até mesmo C2C (consumer to consumer, como é o crédito entre pessoas). Isso muda muito a forma como elas monetizam suas experiências.

As fintechs são, antes de qualquer outra coisa, startups. Por serem empresas novas, totalmente inseridas na tecnologia e livres de qualquer gestão burocrática, elas conseguem ser rápidas o suficiente para incomodar instituições bilionárias como bancos, corretoras e seguradoras.

Enquanto as grandes empresas são engessadas e a inovação interna é lenta, as startups testam novos produtos e serviços o tempo todo, sem muito medo de falhar. Isso garante que as fintechs estejam sempre “atualizadas”. Hoje ela pode ser uma coisa, amanhã outra diferente. Iterar para chegar cada vez mais próximo do ideal do cliente.

O passo-a-passo de como entrar no jogo das fintechs é esse: primeiro, identificar um ponto falho na cadeia financeira. Depois, criar um processo tecnológico que corrija isso. E finalmente empacotar a solução na forma de um produto de altíssimo nível, que ofereça comodidade, menores custos e seja altamente escalável.

Enquanto os bancos mantém uma relação bastante fria com seus clientes, as fintechs tratam os seus com imenso carisma e de forma personalizada. Quem é cliente do Nubank, por exemplo, sabe do que estou falando. A empresa se esforça ao máximo para atender todo mundo da maneira mais adequada possível.

As principais Fintechs do Brasil

Por falar em Nubank, essa é talvez a fintech de maior destaque no Brasil, se tornando o segundo unicórnio brasileiro (atrás apenas da 99, quando foi vendida para os chineses). Com valor de mercado estimado em US$ 2 bilhões, o Nubank uma das maiores emissoras de cartões de crédito no país e tem incomodado muito os grandes bancos. Agora, tem trabalhado para se tornar um grande banco ela mesmo, com a Nuconta.

É claro que ela não está sozinha nesta batalha pelo consumidor. Outras fintechs sensacionais brasileiras são GuiaBolso (um aplicativo de gestão financeira), 4All (pagamentos), Geru e Creditas (ambas de crédito). Todas elas estão obtendo resultados incríveis.

Há uma outra enorme quantidade de startups que poderiam ter sido citadas: Neon, Warren, idWall, Bidu, para dizer apenas algumas. E outras também continuarão a surgir, visto que a inovação no Brasil não para. Temos esperança que o termo fintech seja cada vez mais usado no nosso País por conta da crescente inovação que passamos!

Por fim, confira um vídeo com os principais players do segmento de Fintech do Brasil:

Tags
Compartilhe:
Classifique: