A era dos bancos digitais: entenda como isso vai mudar a sua vida

Algumas empresas transformaram a forma como os brasileiros se relacionam com o dinheiro

Especialista em startups e co-fundador do StartSe, maior ecossistema de startups do Brasil

13 de julho de 2017

O mundo tem se tornado cada vez mais digital, e isso impacta diversos setores da economia. Uma das áreas que passam por maiores transformações é a financeira.

Nos últimos anos, surgiram diversas empresas inovadoras como Nubank e Guia Bolso, mas isso é apenas uma pequena parte do que vem por aí.

Uma nova onda que ganha cada vez mais força é a dos bancos digitais. Os primeiros que surgiram foram o Banco Original e o Banco Neon, que antes se chamava Controly.

Depois que o Conselho Monetário Nacional regularizou a abertura e encerramento de contas bancárias à distância, usando internet ou aplicativos de celular, novos players entraram no mercado. Bom exemplo disso são os bancos Intermedium, que agora se chama Inter, e o Next, vinculado ao Bradesco.

A grande vantagem desses bancos digitais para os modelos tradicionais é a facilidade de utilização, desburocratização de processos e custos e taxas menores. A maioria dos clientes desses bancos – estimados em mais de 600 mil – são jovens totalmente ligados em tecnologia.

Esse será um dos temas abordados durante o Fintouch, maior conferência sobre fintechs já feita no Brasil. Para saber mais, clique aqui.

Diferente de quando tiveram início, hoje os bancos digitais oferecem todo tipo de serviço: abertura de conta, cartões de crédito e débito, saques na Rede 24 Horas, transferências bancárias, depósitos via cheque e boleto, aplicativo para gestão financeira e linhas de investimento.

Nos últimos anos, algumas empresas transformaram a forma como os brasileiros se relacionam com o dinheiro. Mas o que aconteceu até agora foi apenas a ponta do iceberg. Transformações ainda maiores estão por vir.

Compartilhe:
Classifique: