Startup de mobilidade de fundadores da 99 recebe aporte de US$ 9 milhões

A Yellow, um aplicativo de bike-sharing, é o novo empreendimento dos fundadores da 99 com o CEO da Caloi, Eduardo Musa

Tainá é repórter da StartSe

4 de abril de 2018

Janeiro de 2018 começou com a notícia do primeiro unicórnio brasileiro: a 99. O serviço de mobilidade urbana por aplicativo se tornou a primeira startup do país com valor de US$ 1 bilhão após aquisição realizada pela chinesa Didi. No mesmo mês, dois dos fundadores da 99 criavam o próximo empreendimento: a Yellow.

Os empreendedores Renato Freitas e Ariel Lambrecht se juntaram a Eduardo Musa, CEO da Caloi, para criar outra startup de mobilidade urbana. Agora, os fundadores da 99 trocaram os carros por bicicletas e receberam o aporte de US$ 9 milhões para iniciar o serviço no país.

A Yellow é uma startup de bike-sharing diferente das existentes até então: as bicicletas são “dockless”, ou seja, não ficam presas em uma estação fixa como as que já circulam nas cidades através de iniciativas do Itaú e Bradesco. Pelo contrário, os usuários encontram as bicicletas mais próximas a partir do GPS, a destravam e pagam pelo aplicativo e podem utilizar.

As bicicletas podem ser deixadas em qualquer ambiente propício para estacioná-las. O investimento será utilizado para disponibilizar, inicialmente, 20 mil bicicletas – e a intenção é de possuir uma frota com 100 mil.

Para evitar roubos, as bicicletas são equipadas com GPS e não possuem marchas. Os pneus são maciços, sem câmaras de ar, diminuindo a possibilidade de furos e custos de manutenção. A startup foi criada para complementar o transporte público, permitindo que os usuários andem de bicicleta entre a estação do metrô e suas casas, por exemplo. Segundo a Folha, as bicicletas serão lançadas em São Paulo, principalmente no centro expandido, mas também deverão alcançar a periferia da cidade.

O serviço é tão complementar ao transporte público que o aluguel das bicicletas poderão ser pagos com Bilhete Único, e terão um valor acessível para agregar aos reais já cobrados nas passagens.

“Como moradores locais, estamos bem conscientes dos pontos problemáticos causados pelo transporte público ineficiente do Brasil e construímos a Yellow especificamente para resolvê-los”, disse o fundador Eduardo Musa, segundo o TechCrunch. “Nosso objetivo é melhorar a circulação do trânsito urbano e reduzir as emissões de gases e efeito estufa, proporcionando um meio de transporte divertido e econômico que se integra a outros sistemas de transporte público para otimizar as rotas diárias nas grandes cidades”.

Entre as tendências trazidas pela Nova Economia, está o compartilhamento de serviços ao invés da posse. A Yellow traz exatamente essa noção, com o benefício de ser um serviço acessível e de baixo custo, que melhora a mobilidade urbana. Conheça as tendências trazidas pela Nova Economia em nosso e-book gratuito.

Receba as novidades mais quentes da Tecnologia no mundo em seu e-mail.

Compartilhe:
Classifique: